15 Setembro 2009

Uma vez que se inspiraram no Daily Show, vai haver perguntas difíceis na parte da entrevista?

Tiago Dores (TD): Queremos que haja perguntas difíceis. É evidente que o facto de ser um programa de humor transforma as perguntas. Mas é justamente pelo facto de serem num tom humorístico que podemos ir um bocadinho mais longe na provocação, porque a ideia não é encurralar quem estamos a entrevistar, mas com o tom de humor dar uma oportunidade a quem estamos a entrevistar de arranjar uma forma airosa de responder ou tirar um bocadinho daquele ambiente normal de uma entrevista jornalística.

Ricardo Araújo Pereira (RAP): O nosso objectivo é que as perguntas tenham graça e que proporcionem respostas que também possam ter graça. Se houver uma pergunta que seja jornalisticamente muito pertinente, mas não tenha graça nenhuma, obviamente que não a faremos. O ideal é conciliar - fazer perguntas que, tendo uma pertinência jornalística, tenham graça também. Como em tudo o que fazemos, não é fazer política, fazer jornalismo, é fazer um "bom" programa humorístico. Se fizermos um programa de humor, já não é mau (sorriso).

Mas há áreas combinadas?

RAP: Sobre os bastidores da entrevista, uma vez que é uma área sensível, tanto para nós como para os convidados, e é como revelar o truque do mágico, o que temos dito é que não revelamos coisas dos bastidores.

TD: Agora, não é obviamente uma entrevista jornalística, isto é um programa de humor. Isso não significa que não queiramos confrontar os entrevistados com algumas questões que estão na ordem do dia e são relevantes e até polémicas.

Mas como são feitas as negociações com os candidatos para virem ao vosso programa?

TD: Basicamente, endereçámos convites através dos assessores. Mas contámos com a ajuda de Ricardo Costa, da SIC e do Expresso, menos para as autárquicas, que ele diz que já não quer.

Para quem sempre rejeitou o papel de contrapoder, este formato parece confirmar isso?

RAP: É possível que tenhamos uma latitude para fazer certas perguntas que seriam inadmissíveis noutro contexto. Isso até pode configurar uma situação em que somos aquilo a que se chama contrapoder. Agora, o que sempre rejeitámos é que essa fosse a nossa intenção. Não estamos aqui armados em justiceiros, tipo fazer a pergunta que ninguém fez... o nosso objectivo é fazer perguntas que tenham graça, que podem dar um momento engraçado.

E os políticos portugueses estão preparados para isso?

RAP: Isso vamos ver a partir de amanhã [hoje] (riso).

Já tiveram alguma dica de algum pivot para fazer aquela pergunta, apertar com um político...?

RAP: Directamente, não. As perguntas têm sido feitas aqui nesta sala. Até temos uma promoção com "Veja as perguntas que nunca ninguém lhes fez!". É provavelmente porque são perguntas absurdas.

E dicas sobre modo de funcionamento dos entrevistados?

RAP:
Outro constrangimento, além de estarmos a ser guionistas do programa, apresentadores, produtores, é que temos também de ser diplomatas. Temos feito um esforço grande a conversar com assessores dos políticos, ir à sede do partido discutir com eles.

MAGICADO POR Miguelita às 10:26
tags FEDORENTAS:

Gato Fedorento:

4 pessoas;

4 homens;

4 comediantes;

mas acima de tudo são 4 amigos...

4 amigos que adoram o que fazem,

e nós adoramos o seu trabalho.

Nome:Erica Cardoso
Alcunha: Mucky_Girl, Miguelita

Idade: 17 anos

Email:

erykah_mucky@hotmail.com

Sigo o trabalho dos Gatos desde 2007.

Gosto muito do Miguel Góis.

Este blog foi criado, para todos os fãs e admiradores do Gato Fedorento, contem noticias, videos, exclusivos, fotos e muito mais.

Espero que gostem do meu Blog, que é sempre a pensar em vocês

BJS

Mucky_Girl

pesquisa FEDORENTA