Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gato Fedorento Fãs

Gato Fedorento: 4 pessoas, 4 homens, 4 comediantes, mas acima de tudo são 4 amigos... 4 amigos que adoram o que fazem, e nós adoramos o seu trabalho!

Gato Fedorento Fãs

Gato Fedorento: 4 pessoas, 4 homens, 4 comediantes, mas acima de tudo são 4 amigos... 4 amigos que adoram o que fazem, e nós adoramos o seu trabalho!

GUERRA ENTRE A MEO E A ZON

20
Jul09

Gatos Fedorento no centro da polémica

 

Nos anúncios protagonizados pelos Gato Fedorento, a PT utiliza a assinatura "Mais de 120 canais com a melhor imagem de sempre em todas as televisões de sua casa e Internet com 100 megas garantidos, adira ao Meo fibra a partir de 49,90 por mês", uma afirmação contestada pela Zon. Por exemplo, a dona da TV Cabo revela que "nenhum dos pacote Meo Fibra inclui 120 canais", acrescentando que a oferta que "mais se aproxima das características anunciadas custa 82,40 euros/mês, mais 65% que o publicitado". Além disso, a Zon argumenta que "não é demonstrável" que o serviço da PT tenha "a melhor imagem de sempre".

Já do lado da PT, a empresa considera que a campanha da Zon "viola de forma manifesta e grave os princípios ético-publicitários". Isto porque a empresa de Rodrigo Costa lançou a campanha da Zon Fibra, uma designação contestada pela empresa de Zeinal Bava, pelo facto da oferta da Zon se basear numa rede híbrida (docsis 3.0, que funciona com cabo coaxial e fibra).

De resto, no processo enviado ao ICAP, a que o Diário Económico teve acesso, a PT alega que a Zon "aproveitou a campanha publicitária realizada pela PTC e desenvolveu uma campanha publicitária própria alavancada na campanha e no investimento da PTC, apesar de não possuir uma rede de fibra, nem ter realizado esse investimento, nem os seus produtos e serviços assentarem numa estrutura tecnológica de fibra". A queixa da PT diz ainda que a campanha da Zon é "enganosa, desleal e desonesta".

A troca de acusações fica agora a aguardar uma decisão final do ICAP. Depois de ter recebido as queixas, o ICAP notificou as duas empresas, que têm um prazo de cinco dias úteis para contestar as acusações. Findo essa data, os processos são analisados pelo Júri de Ética Publicitária e as decisões têm carácter vinculativo, embora qualquer das partes envolvidas possa posteriormente recorrer aos tribunais comuns.

Contactada, a PT optou por não fazer comentários sobre a queixa interposta pela Zon.